Make your own free website on Tripod.com
 
Paixões seresteiras, romances & afins
Página Inicial - Amigos da Seresta

 
Uma paixão de matar

        Domingos Correia foi um seresteiro do início do século 20. Segundo alguns historiadores, ele era baixinho, branco, e tinha uma cabeça enorme, o que lhe valeu o apelido de "Boneco". Talvez sua figura um tanto grotesca não ajudasse muito quando se tratava de conquistas amorosas. 
       Um dia, o poeta apaixonou-se por Arminda Santos, uma jovem atriz pernambucana, porém sua paixão não era correspondida. Entristecido, Domingos Correia terminou por se suicidar, ingerindo um copo do desinfetante Lisol, no dia 6 de maio de 1912, numa casa de chope do Rio de Janeiro.
        Domingos Correia não era compositor, então fez uns versos tristíssimos em cima de uma valsa, também muito triste, conhecida por "Saudade Eterna", do violonista Santos Coelho, renomeando-a como "Flor do Mal", onde expõe sua frustrada paixão por Arminda:

"Oh! Eu me recordo ainda
desse fatal dia
em que tu me disseste, Arminda,
indiferente e fria,
eis do meu romance o fim..."


Paixões seresteiras, romances & afins
Página Inicial - Amigos da Seresta

Nedstat Basic - Free web site statistics