Make your own free website on Tripod.com
Amigos da Seresta, Amigos em Seresta


Lágrimas
Cândido das Neves (Índio)

Em    Am        Em    Am    Em   Em/G
Ai, deixa-me chorar para suavizar
                 B7
O que não sei dizer, mas sei sentir
Am      Am6                           B7
Não prantear um amor que se perdeu
É a nossa alma enganar
                      Em        B7     Em    Am      Em  Am
E ao próprio coração querer mentir / Rir é quase iludir
               E7                     Am
É querer forçar o próprio coração a gargalhar
              Am6      Em         Gb7     B7           Em    E7
Quando ele está solitário na dor   /   A soluçar de amor
Am                                       Em                         Em/G   B7
É mais sublime a lágrima  /   Que exprime as nossas emoções
                      Em                 B7
Amenizando a alma cheia de ilusões
Am         Am6                          Em
Do que sorrir para esconder a mágoa
                       Gb7            B7         Em
Que o olhar não diz   /  Não há ninguém feliz
 Am            Am6                    Em
Quero fazer das lágrimas que choro
                  B7                          Em
Estrelas a brilhar  /  Rosas de cristal
Do pranto emocional
Am
Mas se ela voltar
                  Em                      Gb7
Fulgente diadema então lhe ofertarei
       B7             Em
Do pranto que chorei
Em     Am             Em      Am                       Em
Sim, quem nunca chorou  /        Certo nunca amou
                       B7
Talvez nem alma tenha para sentir
Am       Am6          B7
Não me faz inveja este prazer
Eu gosto até de padecer
                              Em           B7
Chorar é a mágoa em pérolas diluir
Em    Am           Em    Am
Mas quem quiser amar
                    E7
Certo há de chorar
                     Am
Há de sentir morrer o coração
            Am6     Em            Gb7
Porque o amor sendo belo falaz   /  Como os ais
      B7          Em   Am   E
Se desfaz em ilusão

 
 

Fonte:   © 2002 cifrAntiga